Dilma Roussef e Graça Foster participam de cerimônia de conclusão da P-62

A P-62 tem capacidade diária para produzir 180 mil barris de petróleo e 6 milhões de metros cúbicos de gás e para injetar 42 mil metros cúbicos de água

A presidenta da República, Dilma Rousseff, e a presidente da Petrobras, Maria das Graças Silva Foster, participaram da cerimônia de conclusão das obras da plataforma P-62, nesta terça-feira, dia 17 de dezembro, no Estaleiro Atlântico Sul (EAS), em Ipojuca (PE). Antes da cerimônia, Dilma Rousseff, Graça Foster e comitiva visitaram as obras de construção da Refinaria Abreu e Lima, no Complexo Portuário de Suape.

A P-62 tem capacidade diária para produzir 180 mil barris de petróleo e 6 milhões de metros cúbicos de gás e para injetar 42 mil metros cúbicos de água, e atuará no campo de Roncador, no pós-sal da Bacia de Campos.

Do tipo FPSO (sigla em inglês para unidade que produz, armazena e transfere petróleo), a plataforma será instalada em profundidade de água de 1.600 metros, a 125 quilômetros da costa, dando inicio à produção no primeiro trimestre de 2014.

Projetada para atender à demanda da Petrobras por plataformas de produção, conforme Plano de Negócios e Gestão 2013-2017 da companhia, a P-62 é mais um empreendimento do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) do Governo Federal, que contribui para consolidar a expansão da indústria naval no Brasil. O projeto básico da plataforma foi desenvolvido pelo Centro de Pesquisas Leopoldo Américo Miguez de Mello (Cenpes).

Sua obra gerou cerca de cinco mil empregos diretos e 15 mil indiretos, e contou com elevado índice de conteúdo nacional: cerca de 63%, alcançados principalmente com os serviços de construção de módulos, conversão e integração do navio executados no Brasil.

Construção

O casco do navio MT Suva passou por adaptações no estaleiro Jurong, em Cingapura, antes de chegar ao Estaleiro Atlântico Sul (EAS), em Ipojuca (PE), em janeiro de 2012. No EAS, passou pelas etapas de conversão e integração da embarcação em um FPSO, a cargo do consórcio Camargo Correia e Iesa (CCI).

A construção dos 15 módulos da plataforma, responsáveis pelo processamento e tratamento de óleo, gás e água, também foi feita no Brasil por meio de três pacotes com as contratadas UTC Engenharia, em Niterói (RJ) – módulos de processo e compressão; e Empresa Brasileira de Engenharia (EBE), em Itaguaí (RJ) – módulos de processo.

Depois de finalizados, os módulos foram transportados por balsas e entregues ao CCI, em Ipojuca, onde foram içados sobre o casco do navio e interligados para posteriores comissionamento e testes, que finalizaram a construção do FPSO.

Além dos módulos, a P-62 também é composta por pipe-rack (estrutura para tubulação), heliponto, flare e acomodações. A unidade é capaz de gerar 100MW de energia elétrica, que equivalem ao consumo de uma cidade de 330 mil habitantes; e tem 119 metros de altura, 330 metros de comprimento e seu peso supera 60 mil toneladas.

Ficha Técnica

Produção: 180 mil barris de petróleo e 6 milhões de m³ de gás por dia

Capacidade de armazenamento: 1,6 milhão de barris

Capacidade de tratamento de água de injeção: 42 mil m³ por dia;

Capacidade de injeção de água: 265 mil barris por dia

Capacidade de geração elétrica: 100MW;

Profundidade de água: 1.600m

Conteúdo local: 65%

Peso total da plataforma: 60.500 toneladas

Comprimento: 330 metros

Sobre a Refinaria Abreu e Lima

A Refinaria Abreu e Lima está instalada em Ipojuca, no Complexo Portuário de Suape, a cerca de 60km ao sul do Recife. O empreendimento está 83,1% concluído, com previsão de partida de sua primeira fase em novembro de 2014. A unidade processará 230 mil barris diários de petróleo quando a segunda fase, prevista para ser entregue em maio de 2015, entrar em operação. O número representa cerca de 11% da capacidade atual de refino de petróleo no Brasil.

A Abreu e Lima será a unidade operacional da Petrobras com a maior taxa de conversão de petróleo em diesel: o equivalente a 70% da produção da unidade. A refinaria produzirá ainda outros derivados como nafta; coque de petróleo; gás liquefeito de petróleo (GLP); entre outros.

Os produtos entregues pela Abreu e Lima se destinam, predominantemente, a atender o mercado do Norte/Nordeste. O empreendimento gera atualmente cerca de 40 mil empregos diretos, e está sendo construído com 86% de conteúdo local.

Deixe uma resposta